quinta-feira, maio 01, 2008

12 - Selos Rompidos - A Execução dos Propósitos Divinos

Há um Deus nos céus, o qual revela mistérios.”
Daniel 2:28a

Temos visto que o livro selado que é entregue ao Cordeiro contém o propósito de Deus que visa a restauração de todas as coisas. Tal propósito era um mistério que estava oculto desde os tempos eternos, mas que agora nos é revelado por meio do Espírito de Cristo.

Para que o propósito de Deus fosse executado, o Cordeiro teria que romper cada um dos sete selos com que o livro estava lacrado. À medida em que fossem rompidos, o propósito divino se desencadearia, passo a passo.

Ao romper o primeiro selo, João é convidado por um dos quatro seres viventes a ver “um cavalo branco. O seu cavaleiro tinha um arco, e foi-lhe dada uma coroa, e ele saiu vencendo e pra vencer” (Ap.6:2).

Quem seria esse enigmático cavaleiro?

Há muita especulação acerca de sua identidade. Há até quem afirme com certeza que se trata do Anticristo ! Partindo do princípio básico de Hermenêutica de que a Bíblia deve interpretar a Bíblia, isto é, de que textos obscuros devem ser compreendidos à luz de outros textos mais claros, podemos afirmar que esse cavaleiro é o próprio Cristo.

Não precisamos ir muito longe. Ainda em Apocalipse, no capítulo 19, versículo 11, João vê o mesmo personagem, que ali é identificado como o cavaleiro Fiel e Verdadeiro, que julga e peleja com justiça, “e o nome pelo qual se chama é o Verbo de Deus...Rei dos reis, e Senhor dos senhores” (vs.13,16). Quem mais poderia encabeçar a execução do plano de Deus? Ele é, ao mesmo tempo, o Cordeiro que possibilita a execução dos propósitos divinos, e o primeiro Cavaleiro que aparece no cenário apocalíptico para executar tais desígnios.

Mas para não ficarmos somente neste livro, que tal uma breve incursão pelas Escrituras?
Em um dos mais belos salmos da Bíblia, encontramos:

"Cinge a tua espada à coxa, ó valente; cinge-te de glória e majestade. Nessa majestade cavalga VITORIOSAMENTE, pela causa da verdade, da humildade e da retidão; que a tua destra mostre coisas terríveis . As tuas flechas são agudas no coração dos inimigos do rei; por meio delas os povos caem debaixo de ti. O teu trono, ó Deus, é eterno e perpétuo; o cetro do teu reino é um cetro de equidade.”
Salmo 45:3-6.

Eis o retrato fiel d’Aquele que, por ser mais valente do que o valente (Satanás), é o único capaz de amarrá-lo e tomar os seus bens (Mt.12:29; Lc.11:21-22; Is.49:24-25). Nosso rei cavalga vitoriosamente pela causa da verdade, da humildade e da retidão! Como disse João, Ele saiu vencendo e pra vencer!

E que tal a afirmação paulina de que Deus nos conduz em triunfo através de Cristo Jesus (2 Co.2:14)? Paulo tinha em mente os desfiles triunfais promovidos pelos generais romanos após uma vitória sobre algum exército inimigo. Geralmente, o imperador romano vinha à frente dos seus generais, montado em um deslumbrante corcel branco, enquanto seus inimigos eram exibidos publicamente, amarrados, despojados e humilhados. No pensar de Paulo, Cristo é o Imperador dos céus e da terra, que venceu os seus inimigos e que agora, os exibe publicamente em Seu desfile triunfal. Era isso também que ele tinha em mente quando afirmou que Cristo, “tendo despojado os principados e potestades os expôs publicamente ao desprezo, e deles triunfou na cruz” (Col.2:15).

Quando diz que Ele saiu vencendo, está em foco o Seu ministério terreno. Enquanto esteve aqui na terra, Jesus enfrentou o Diabo por diversas vezes, tanto na tentação no deserto, quanto nas vezes em que confrontou-se com demônios que possuíam pessoas, expulsando-os de seus corpos.
Quando diz que Ele saiu pra vencer, o foco recai sobre a Sua grande vitória conquistada na Cruz. Foi ali que ele obteve a vitória decisiva sobre o Inferno e a Morte. Esta vitória, embora já obtida na Cruz, é agora proclamada pela Igreja, que vai tomando o terreno antes pertencente ao inimigo. Portanto, compete a Igreja promover o desfile triunfal de Cristo por todos os quadrantes da terra. A vitória da Igreja é, por assim dizer, a confirmação da vitória de Cristo na Cruz. Na Cruz a serpente foi ferida, porém, é sob os pés da Igreja que ela deve ser esmagada (Rm16:20). “Convém que ele (Cristo) reine até que haja posto a todos os inimigos debaixo dos seus pés” (1 Co.15:25).

Por mais que Seus inimigos se levantem contra Ele, “o Cordeiro os vencerá, porque é o Senhor dos senhores e o Rei dos reis; vencerão também os que estão com ele, chamados eleitos, e fiéis” (Ap.17:14).


O Segundo Selo - O Cavalo Vermelho


O primeiro Cavaleiro vem sobre um cavalo branco, o que parece apontar para o fato de que Ele veio trazer paz. Entretanto, os homens rejeitaram o Príncipe da Paz. O próprio Cristo, quando ia chegando à Jerusalém, com imenso pesar e lágrimas nos olhos disse:

"Ah! Se tu conhecesses, ao menos neste teu dia, o que à tua paz pertence! Mas agora isso está encoberto aos teus olhos. Dias irão sobre ti e que os teus inimigos te cercarão de trincheiras, e te sitiarão e te apertarão de todos os lados. Derrubar-te-ão, a ti e a teus filhos que dentro de ti estiverem. Não deixarão e ti pedra sobre pedra porque não reconheceste o tempo da tua visitação.”
Lucas 19:42-44.

Tendo negligenciado a mensagem do Cavaleiro da Paz, no “tempo da visitação”, os judeus agora experimentariam um dramático período de su-cessivos conflitos e guerras, que culminaria na invasão e destruição de Jerusalém no ano 70 d.C. A própria espada de Deus fora colocada nas mãos de Tito, general romano, para exercer juízo sobre o povo que rejeitara o Príncipe da Paz.

Jesus já havia avisado aos Seus discípulos acerca desse tempo: "Quando ouvirdes falar de guerras e revoluções, não vos assusteis. É necessário que isto aconteça, mas o fim não será logo. Então lhes disse: Levantar-se-á nação contra nação, e reino contra reino (...) Quando virdes Jerusalém cercada de exércitos, sabereis que é chegada a sua desolação”
Lucas 21:9-10, 20.

A rejeição da paz celestial sempre trará como conseqüência o conflito entre os homens. Só haverá paz entre as criaturas, quando estas estiverem em paz com o seu Criador. Deus sempre anuncia primeiro a misericórdia, para então manifestar Seu juízo. Se Sua misericórdia for rejeitada, o Juízo é inevitável. A Escritura diz que “o juízo será sem misericórdia para aquele que não usou de misericórdia. A misericórdia triunfa sobre o juízo!” (Tg.2:13). O maior gesto de misericórdia da parte de Deus se deu ao enviar-nos Seu Amado Filho Jesus. Ele “veio para o que era seu, mas os seus (judeus) não o receberam” (Jo.1:11). Rejeitada a Paz, só lhes restava a guerra. Rejeitada a misericórdia, só lhes restava o Juízo.

O Terceiro Selo - O Cavalo Preto

O próximo a entrar em cena é um cavaleiro que monta um cavalo preto, tendo na mão uma balança. De repente, do meio dos seres viventes, ouve-se uma voz: “Uma medida de trigo por um denário, e três medidas de cevada por um denário, e não danifiques o azeite e o vinho” (Vs.5-6). Fica claro que a missão desse cavaleiro é promover a fome e a miséria, resultados óbvios da atuação do segundo cavaleiro.

Encontramos em registros históricos, principalmente nos deixados por Flávio Josefo, que os habitantes de Jerusalém, depois de sofrerem o cerco romano por muito tempo, antes da destruição em 70 d.C., en-frentaram uma fome sem precedentes. Josefo conta que eles “comiam até mesmo a sola dos sapatos, o couro dos escudos” e até “feno podre”. Os pais chegavam a comer seus próprios filhos. Os soldados romanos ficavam revoltados quando se deparavam com corpinhos de crianças, ainda não inteiramente consumidos, mas guardados para esse propósito.
Sobre isso Jesus também profetizou (Mt.24:7). Ao alimentar uma grande multidão com apenas cinco pães e dois peixinhos, Jesus estava demonstrando que o Pai Celestial também Se preocupa com o sustento material dos Seus filhos. Entretanto, mais importante do que “a comida que perece” é a “comida que permanece para a vida eterna” (Jo.6:27). “Eu sou o pão da vida. Aquele que vem a mim não terá fome, e quem crê em mim jamais terá sede” afiançou Jesus (v.35). Os judeus pareciam não entender que somente buscando o Reino de Deus como absoluta prioridade na vida é que as demais coisas são acrescentadas (Mt.6:33). Por haverem invertido a ordem estabelecida por Deus, priorizando os valores materiais em vez dos espirituais, o Juízo de Deus viria sobre eles, privando-os daquilo que eles mais almejavam. Se eles houvessem se alimentado do Pão da Vida que é Cristo, jamais lhes faltaria o pão de cada dia.

Com o cerco romano, nenhum dos moradores de Jerusalém poderia sair para comprar mantimentos fora da cidade. Depois de algumas semanas, já não havia qualquer suprimento nos armazéns de Jerusalém.

O Quarto Selo - O Cavalo Amarelo

Se tão-somente Israel houvesse recebido o seu Rei! A rejeição da paz trouxe a guerra, a guerra trouxe a fome, e esta, por sua vez, trouxe a morte. O único cavaleiro que recebe nome nesta visão é o que monta o cavalo amarelo. Ele chama-se Morte, e é seguido pelo Inferno (Hades). “Foi-lhes dado poder sobre a quarta parte da terra para matar com a espada, com a fome, com a peste e com as feras da terra” (6:8).

Não podemos perder de vista que o rompimento de cada um dos selos visa executar o juízo de Deus sobre Israel, por haver rejeitado o seu Messias. Tanto a rejeição por parte de Israel, como os juízos decorridos daí, visam o estabelecimento do propósito de Deus que deve abarcar toda a criação. É sobre isso que Paulo fala, ao afirmar que a queda de Israel é “a riqueza do mundo”, e a sua rejeição é “a reconciliação do mundo” (Rm.11:12,15).

Nenhum desses cavaleiros age por conta própria. Eles são agentes do juízo divino sobre a terra (a terra de Israel, lógico!). Até mesmo a Morte e o Inferno não agem com autonomia. Afinal, quem é que Se apresenta logo no início do Livro como tendo as chaves da Morte e do Inferno ( Ver Ap.1:18 )?

Compreendendo os Juízos de Deus

Embora as misericórdias de Deus sejam infinitas, elas se esbarram em um limite estabelecido pelo próprio Deus. É Ele quem decide quando e com quem deve usar de misericórdia. Foi Ele mesmo que afirmou: “Terei misericórdia de quem me aprouver ter misericórdia” (Rm.9:15a). Se Ele simplesmente preferir não agir misericordiosamente, Sua justiça em nada é maculada. Ser justo é dar a cada um o que é merecido. Se alguém merece castigo, castigo deve receber. Porém, Deus, em Sua infinita misericórdia, “não nos tratou segundo os nossos pecados, nem nos retribuiu segundo as nossas iniqüidades (...) Como um pai se compadece de seus filhos, assim o Senhor se compadece daqueles que o temem; pois ele conhece a nossa estrutura, e se lembra de que somos pó” (Sl.103:10,13-14). A quem é destinada a misericórdia do Senhor? Àqueles que O temem. Ao agir com misericórdia, muitas vezes Deus nos poupa de colher aquilo que plantamos. Entretanto, há muitos que acham que podem se aproveitar da misericórdia divina para continuar em uma vida de pecados. Os que assim agem estão zombando de Deus. De acordo com a Escritura, “o que encobre as suas transgressões nunca prosperará, mas o que as confessa e deixa, alcançará misericórdia” (Pv.28:13). Um coisa é pecar eventualmente, outra completamente diferente é viver no pecado. Quem vive no pecado está abusando da misericórdia de Deus, e poderá ser alvo de Seu juízo disciplinador. “Não vos enganeis” adverte Paulo, “de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará” (Gl.6:7). Deus disciplina o homem ao permitir que ele colha exatamente o que está plantando. Com habilidade inigualável, o apóstolo Paulo demostra claramente como se dá isso. Aqueles que “tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças”, “Deus os entregou às concupiscências de seus corações, à imundícia, para desonrarem seus corpos entre si”(Rm.1:21,24). Quanto àqueles que “mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram a criatura em lugar do Criador (...) Deus os abandonou às paixões infames” (vs.25-26). “Semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, inflamaram-se em sua sensualidade uns para com os outros, homem com homem, cometendo torpeza, e recebendo em si mesmos a penalidade devida do seu erro. E, como eles não se importaram de ter conhecimento de Deus, ele os entregou a um sentimento pervertido, para fazerem coisas inconvenientes. Estão cheios de toda iniqüidade, prostituição, malícia, avareza, maldade, inveja, homicídio, contenda, engano e malignidade. São murmuradores, detratores, aborrecedores de Deus, injuriadores, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais e às mães; são néscios, infiéis nos contratos, sem afeição natural, irreconciliáveis, sem misericórdia. Embora tenham conhecimento da justiça de Deus ( que são dignos de morte os que tais coisas praticam ), não somente as fazem, mas também aprovam os que as praticam” (Rm.1:25a,26-32).

Eram essas as condições dos judeus à época de Jesus e de Paulo. Por isso, o Juízo de Deus os atingiu. Devemos tomar isso como exemplo, e atentar às advertências que o Senhor nos faz em Sua Palavra, para que não incorramos nos mesmos erros daqueles que constituíam o povo da Antiga Aliança.

“Um abismo chama outro abismo” dizia o salmista (Sl.42:7a). Os judeus rejeitaram o Cavaleiro Fiel, o Príncipe da Paz, e por isso, Deus os entregou aos que montavam os cavalos vermelho, preto e amarelo. Ao rejeitar a paz, os judeus colheram os frutos de suas próprias ações. A Guerra trouxe a Fome, e esta trouxe a Morte.


O Quinto Selo: O Clamor dos Mártires

“Não fará Deus justiça aos seus escolhidos, que clamam a ele de dia e de noite, ainda que os faça esperar?”
Lucas 18:7.

O livro que o Cordeiro recebeu das mãos do Ancião de Dias era escrito por dentro e por fora. Isto significa que o propósito de Deus abarca a criação como um todo, tanto a visível, quanto a invisível; tanto a material, e física, quanto a espiritual. Estar escrito por dentro aponta para a realidade invisível aos olhos humanos, portanto, espiritual; enquanto que, estar escrito por fora aponta para a realidade material e visível.

O juízo de Deus sobre Israel visava a implementação do Seu eterno propósito para toda a criação visível, incluindo todas as nações da terra. Agora, porém, a atenção de João se volta deste mundo para o mundo invisível. Ele relata:

"Quando ele abriu o quinto selo, vi debaixo do altar as almas dos que foram mortos por causa da palavra de Deus e por causa do testemunho que deram.”
Apocalipse 6:9.

Temos boas razões para acreditarmos que as almas ali vistas eram dos santos que foram martirizados ainda sob a Antiga Aliança. Uma delas é o fato de elas estarem sob o altar de Deus, e não sobre o altar, como estariam os que fossem martirizados sob a Nova Aliança (Fp.2:17).
Aqueles santos mártires estavam sob a proteção do Altíssimo, mas ainda não haviam sido recompensados. E o que eles estariam fazendo ali? Estariam dormindo, como defendem aqueles que pregam a doutrina do sono da alma? Absolutamente, não! João diz que eles “clamavam com grande voz, dizendo: Até quando, ó verdadeiro e santo Soberano, não julgas e vingas o nosso sangue dos que habitam sobre a terra?” (V.10).

Essas orações imprecatórias fazem parte do propósito de Deus. Davi diz em seu salmo que a sua oração seria sempre contra os feitos dos ímpios (Sl.141:5b). Não se trata aqui de orar contra pessoas, mas contra os seus feitos. Orar também é denunciar o que está errado em nossa sociedade; é clamar por justiça (Leia Is.59:4); é conspirar contra as estruturas injustas.
Em resposta aos seus anseios, “foram dadas a cada um deles compridas vestes brancas, e foi-lhes dito que repousassem ainda por pouco tempo, até que se com-pletasse o número de seus conservos e seus irmãos, que haviam de ser mortos, como também eles foram” (v.11).

Que significado teriam essas vestes brancas? É ponto pacífico que tais vestes simbolizem a Justiça de Cristo. Foi a morte de Cristo que possibilitou que os santos da Antiga Aliança fossem aperfeiçoados, e recebidos na Plenitude da Glória Celeste. Até aquele momento, eles estavam sob o altar de Deus, mas agora, eles eram aperfeiçoados (lit.completados). Eles são aqueles de quem o Escritor Sagrado diz que “experimentaram escárnios e açoites, e até algemas e prisões. Foram apedrejados; foram tem-tados; foram serrados pelo meio; foram mortos ao fio da espada. Andaram vestidos de peles de ovelhas e de cabras, necessitados, aflitos e maltratados ( dos quais o mundo não era digno ), errantes pelos desertos e montes, e pelas covas e cavernas da terra. E todos estes, embora tendo recebido bom testemunho pela fé, contudo não alcançaram a promessa. Deus havia provido coisa superior a nosso respeito, para que eles, sem nós, não fossem aperfeiçoados” (Hb.11:36-40).

Embora o clamor daqueles santos chegasse a Deus, eles somente seriam aperfeiçoados a partir do momento em que, na Cruz, Cristo fizesse provisão completa pelos santos de todas as eras. Podemos então compreender o motivo pelo qual, sem nós, eles não seriam aperfeiçoados. Na Cruz, Cristo atraiu para Si os santos de todas as eras, e com uma só oferta os aperfeiçoou para sempre (Hb.10:14). Por meio de Cristo, tanto nós que vivemos sob a Nova Aliança, quanto os que viveram sob a Antiga, alcançamos a plenitude. Fomos aperfeiçoados; atingimos a maturidade espiritual. No dizer de Paulo, o sacrifício de Cristo nos fez idôneos à parte que nos cabe da herança dos santos na luz (Col.1:12). E mais: “Nele estais aperfeiçoados”, garante o apóstolo (2:10). Agora, os santos de todas as eras formam um só grupo: A universal assembléia, formada pelos espíritos dos justos aperfeiçoados (Hb.10:23).

Podemos ainda compreender isso de outro ângulo: os santos que morreram sob a Antiga Aliança só seriam atendidos e vindicados, quando fossem “completados” em seu número. “Aperfeiçoar” também significa completar. A galeria dos heróis da fé não estaria completa enquanto não fosse completada pelos mártires da Nova Aliança. Assim, podemos entender o aperfeiçoamento dos santos da Antiga Aliança como sendo a obra realizada pelo sacrifício da Cruz, e ao mesmo tempo como sendo a totalidade dos que deveriam experimentar martírio semelhante aos que eles experimentaram.

Uma vez completado o número daqueles que deveriam morrer por causa do testemunho de Cristo naqueles dias ( que precederam a queda de Jerusalém ), a medida dos pecados de Israel teria chegado ao seu limite, e a ira de Deus cairia sobre o povo que O rejeitara.

Jesus falou claramente sobre isso:

"Ai de vós, escribas e fariseus hipócritas! Edificais os sepulcros dos profetas, adornais os monumentos dos justos e dizeis: Se estivéssemos vivos no tempo de nossos pais, não teríamos sido cúmplices seus no derramar o sangue dos profetas. Assim, vós mesmos testificais que sois filhos dos que mataram os profetas. ENCHEI VÓS, POIS, A MEDIDA DE VOSSOS PAIS. Serpentes, raça de víboras! Como escapareis da condenação do Inferno? Portanto, eu vos envio profetas, sábios e escribas. A uns matareis e crucificareis; a outros açoitareis nas vossas sinagogas e os perseguireis de cidade em cidade. Assim recairá sobre vós todo o sangue justo derramado sobre a terra, desde o sangue do justo Abel até o sangue de Zacarias, filho de Baraquias, a quem matastes entre o santuário e o altar. Em verdade vos digo que todas estas coisas hão de vir sobre esta geração. Jerusalém, Jerusalém! Que matas os profetas e apedrejas os que te são enviados! Quantas vezes quis eu ajuntar os teus filhos, como a galinha ajunta os seus pintinhos debaixo das asas, e tu não quiseste Agora a vossa casa ficará deserta.”
Mateus 23: 29-38.

Caberia àquela geração completar a medida de iniqüidades praticadas pelas gerações anteriores. Paulo parece corroborar com tal pensamento ao escrever aos crentes Tessalonicenses:

"Padecestes de vossos próprios concidadãos o mesmo que eles padeceram dos judeus, os quais mataram o Senhor Jesus e os seus próprios profetas, e a nós nos perseguiram. Eles não agradam a Deus, e são contrários a todos os homens, e nos impedem de falar aos gentios para que estes sejam salvos. Desta forma sempre enchem a medida de seus pecados. A ira de deus caiu sobre eles afinal.”
I Tessalonicenses 2:14b-16.

Foram os mártires da igreja primitiva que completaram o número daqueles que deveriam sofrer até que a medida dos judeus fosse completada, e o juízo de Deus os atingisse. Paulo se achava uns dos tais, e por isso não hesitava em declarar que cumpria em sua carne “o resto das aflições de Cristo, pelo seu corpo, que é a Igreja” (Col.1:24). Não devemos supor que o sofrimento de Paulo, ou de qualquer outro crente primitivo tivesse algum valor expiatório; cumprir o resto das aflições de Cristo era completar o número daqueles que deveriam morrer por causa do testemunho de Deus, para que assim, o clamor dos antigos mártires fosse respondido, e o juízo de Deus executado.

Por isso, Jesus avisou aos Seus discípulos:

"Mas antes de todas estas coisas, lançarão mão de vós, e vos perseguirão entregando-vos às sinagogas e às prisões, e conduzindo-vos à presença de reis e governadores, por causa do meu nome. Isto vos acontecerá para testemunho (...) Na vossa perseverança ganhareis as vossas almas. Quando virdes Jerusalém cercada de exércitos, sabereis que é chegada a sua desolação (...) Pois dias de vingança são estes, para que se cumpram todas as coisas que estão escritas (...) Haverá grande aperto na terra, e ira sobre este povo. Cairão ao fio da espada, e para todas as nações serão levados cativos. Jerusalém será pisada pelos gentios, até que os tempos deles se completem.”
Lucas 21: 12-24.

Ao se completar o número daqueles que deveriam ser martirizados por amor de Cristo, o número de testemunhas estaria completo, e o Tribunal de Deus seria armado, para que Jerusalém, agora conhecida como a Grande Prostituta, fosse julgada.[1]

O juízo só viria sobre Israel quando todos os tronos fossem ocupados, e o Tribunal estivesse devidamente armado. Jesus havia prometido aos Seus apóstolos:

"Assim como meu Pai me confiou um reino, eu o confio a vós, para que comais e bebais à minha mesa no meu reino, e vos assenteis sobre tronos para julgar as doze tribos da Israel.”
Lucas 22:29-30.

No ano 70 d.C., quando o Juízo de Deus foi executado sobre Israel, todos os apóstolos, inclusive Paulo, já haviam morrido, com exceção de João. Parece-nos possível que tenha sido Paulo aquele que completou o número, para que todos os tronos estivessem ocupados (simbolicamente eram 24 tronos, sendo 12 para os santos da Antiga Aliança e os outros 12 para os da Nova Aliança). O fato de João ter sido o único apóstolo vivo durante a invasão e destruição de Jerusalém já havia sido predito por Jesus (leia João 21:22-23; Mt.16:28 e ainda Mt.10:23).

A Grande Tribulação sofrida pela Igreja primitiva forneceu os mártires que deveriam testemunhar diante do Tribunal de Deus contra a Cidade que se prostituiu com os reis da terra.
Daniel também profetizou sobre isso.

Referindo-se ao Império Romano, que seria o último grande império a levantar-se antes do advento do Reino de Deus, Daniel diz que ele destruiria “os santos do Altíssimo” e que eles seriam “entregues nas suas mãos” por algum tempo. “Mas o tribunal se assentará em juízo, e lhe tirará o seu domínio para o destruir e para o desfazer até o fim. O reino e o domínio, e a majestade dos reinos debaixo de todo o céu serão dados ao povo dos santos do Altíssimo” (Dn.7:25-27).

Através da Igreja, não somente Israel seria julgado, como também o próprio Império Romano, que fora o agente do Juízo de Deus sobre Israel. E assim, cumprir-se-ia o que fora dito por Isaías: “Ai de ti destruidor (...) quando parares de destruir serás destruído” (Is.33:1). Jamais aquele Império poderia imaginar que enquanto perseguia os crentes, e os matava, estava, na verdade, preenchendo cada cadeira do tribunal que o sentenciaria à destruição. Por isso, os cristãos primitivos eram entregues a morte esboçando alegria em suas faces. Eles sabiam que sendo fiéis até a morte, eles receberiam a coroa da vida (Ap.2:10). Cristo lhes havia garantido
que os que vencessem, perseverando até o fim, receberiam autoridade sobre as nações, e com vara de ferro as regeria, quebrando-as como são quebrados os vasos de oleiro (Ap.2:26-27).
Diante de tais promessas, não poderia ser outra a postura de Paulo diante de sua morte. Ele escreveu a Timóteo:

"Quanto a mim, já estou sendo derramado como libação, e o tempo da minha partida está próximo. Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé. DESDE AGORA, A COROA DA JUSTIÇA me está guardada, a qual o Senhor, JUSTO JUIZ, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda.”
II Timóteo 4:6-8.

É claro que Paulo não está se referindo à vinda de Jesus para o estabelecimento do Juízo Final. Ele está falando sobre Sua Vinda em Juízo sobre Israel. Naquele “dia”, Paulo e todos os santos receberiam a Coroa da Justiça para julgar Israel, e todas as nações da Terra.

Esta Coroa da Justiça pertence à Igreja como um todo. Nós, a Igreja de Cristo, estamos assentados nos lugares celestiais em Cristo, e nos foi dado o poder de julgar e de exercer autoridade sobre todas as nações (Ap.20:4; Ef.2:6; Rm.5:17). “O Senhor se agrada do seu povo” exclama o salmista, “ele coroa os humildes com a salvação. Exultem os santos de glória, e cantem de alegria nos seus leitos. Estejam na sua garganta os altos louvores de Deus, e espada de dois gumes nas suas mãos, para tomarem vingança das nações e punirem os povos, para prenderem os seus reis com cadeias, e os seus nobres com grilhões de ferro, para executarem contra eles o juízo escrito. esta é a glória de todos os santos” (Sl.149:4-9). Aleluia!

O SEXTO SELO: Colapso nas Estruturas


“Todo o exército dos céus se dissolverá, e os céus se enrolarão como um livro; todo o seu exército cairá, como cai a folha da vide, e como cai o figo da figueira.”
Isaías 34:4.

O clamor dos mártires foi ouvido! Ao romper o sexto selo, catástrofes ocorrem, e a ordem é subvertida. Tudo começa com um grande terremoto. No capítulo 16, lemos acerca deste mesmo abalo sísmico. Sua amplitude foi tamanha que João afirma que nunca antes tinha havido tão poderoso terremoto. Como resultado, “a grande cidade fendeu-se em três partes, e as cidades das nações caíram (...) Todas as ilhas fugiram, e os montes não mais se acharam” (v.19-20). O objetivo de Deus ao provocar tal abalo é fazer com que os homens se sintam inseguros naquilo em que estão firmados. De repente, o que parecia sólido como uma rocha, se torna como areia movediça. Nada pior do que sentir o solo mover-se sob os nossos pés! Imagine o que é uma cidade partir em três! Tudo aquilo em que o homem confiava, desmorona diante dos seus olhos.
Além do terremoto, é dito que “o sol tornou-se negro como saco de cilício, e a lua como sangue” (6:12). O escurecimento do sol aponta para a desordem social, e o descrédito nas instituições governamentais. Aquilo que deveria ser motivo de orgulho para o povo, torna-se em sua maior vergonha. Cilício significa isso: vergonha, opróbrio. Um saco de cilício (cinzas) é o que sobrou de alguma coisa que já se queimou. Assim estava Jerusalém antes de sua queda. Seu povo vivia da saudade dos tempos áureos, quando o sol ainda ardia em todo o seu esplendor. Agora, tudo o que havia restado eram cinzas. Foi-se a glória de Israel.

Quanto à lua, aponta para a ordem religiosa. Ela tornou-se como sangue porque o que deveria unir as pessoas, agora era motivo de guerra entre elas. Desde há muito tempo, as pessoas se matam por causa de suas convicções religiosas. Até mesmo o altar do Templo em Jerusalém foi testemunha de assassinatos covardes em nome da religião.

Sem ordem civil e religiosa, o povo cai! Por isso é dito que as “estrelas do céu caíram sobre a terra, como quando a figueira, sacudida por um vento forte, deixa cair os seus figos verdes” (v.13). Se não houver instituições civis e religiosas confiáveis, o povo perderá sua identidade e sucumbirá. Foi o que aconteceu com o povo de Israel. Seus líderes se prevaricaram, e se venderam aos romanos. Nem a casta sacerdotal era confiável. Jesus a acusou de ter transformado o Templo em um “covil de salteadores”.

Como se não bastasse tudo isso, “o céu recolheu-se como um pergaminho quando se enrola” (v.14). Os judeus rejeitaram a Cristo, e por isso, já não deveriam esperar nada do céu. O que havia vindo do céu para eles já não estava entre eles para os livrar. Um pergaminho só era enrolado quando já não havia nada para ler ou escrever. A história de Israel como o povo da aliança havia sido encerrada ali. Deus já não tinha nenhum propósito específico para aquele povo em especial. Caberia à Igreja dá prosseguimento à saga do verdadeiro Israel. Não aquele segundo a carne, mas aquele que é segundo a fé que teve Abraão (Gl.3:7,28-29; 6:16; Rm.2:28).
Além disso tudo, é dito que “todos os montes e ilhas foram removidos dos seus lugares. Os reis da terra, os grandes, os chefes militares, os ricos, os poderosos e todo escravo e todo livre se esconderam nas cavernas e nos penhascos dos montes, e diziam aos montes e aos rochedos: Caí sobre nós, e escondei-nos do rosto daquele que está assentado sobre o trono, e da ira do Cordeiro.” Quando a desordem é instaurada, o status quo é ameaçado. As ideologias acabam servindo de abrigo e esconderijo para proteger os interesses de algumas classes. Se o Monte do Senhor aponta para a base da Igreja de Deus, que é a revelação de Deus em Cristo, os montes que são removidos dos lugares representam as ideologias sobre as quais as sociedades estão construídas. Todas elas serão abaladas. E as cavernas nesses montes, onde os homens se escondem são a suas posições sociais, que procuram manter a qualquer custo.

Uma passagem que encontra paralelo com esta é a encontrada em Isaías 2. Ali é dito que “nos últimos dias se firmará o monte da casa do Senhor no cume dos montes, e se engrandecerá por cima dos outeiros; concorrerão a ele todas as nações (...)Vai, entra nas rochas, esconde-te no pó, de diante da presença espantosa do Senhor e da glória da sua majestade. Os olhos do homem arrogante serão abatidos, e o orgulho dos homens será humilhado; só o Senhor será exaltado naquele dia. O dia do Senhor dos Exércitos será contra todo soberbo e altivo, e contra todo o que se exalta, para que seja abatido (...) contra todos os montes altos, e contra todos os outeiros elevados (...) Os homens se meterão nas cavernas das rochas, e nas covas da terra, por causa da presença espantosa do Senhor, e por causa do esplendor da sua majestade, quando ele se levantar para sacudir a terra (..._) Parai de confiar no homem, cujo fôlego está no seu nariz. Em que se deve ele estimar?” (Is.2:2,10-12,14,19,22).

Enquanto o Monte do Senhor se firma, os montes sobre os quais a humanidade está estabelecida são abalados e removidos do seu lugar. As ideologias ruem, e os homens não encontram outra alternativa senão buscar refúgio em suas posições sociais. Os montes sobre os quais os homens se alojaram simbolizam toda altivez e sofisma elaborados para proteger o seu status quo.
Um dos principais motivos que levaram os sacerdotes a conspirarem contra Jesus para tirar-Lhe a vida, era que Ele constituía uma ameaça ao seu status quo. João nos descortina a cena em que tramaram a morte do Senhor:

"Então os principais sacerdotes e os fariseus convocaram uma reunião do Sinédrio, e disseram: Que faremos? Este homem realiza muitos sinais miraculosos. Se o deixarmos prosseguir assim, todos crerão nele, e virão os romanos e tomarão o nosso lugar e a própria nação.” João 11:47-48.

Em outras palavras: - Se este tal Jesus continuar como está, daqui a pouco nós vamos perder as mordomias que o império romano nos concede. Por isso, a presença de Jesus incomodava tanto aquela casta. Algo tinha de ser feito.

Eles pensavam que entregando Jesus às autoridades romanas, estariam comprovando sua lealdade a César. Quando Pilatos viu que as acusações contra Cristo eram infundadas, procurou soltá-lO, mas os judeus insistentemente gritavam: “Se soltares a este, não és amigo de César. Qualquer que se faz rei se opõe a César.” Pilatos ainda tentou convence-los: “Hei de crucificar o vosso Rei? Responderam os principais sacerdotes: Não temos rei, senão César” (Jo.19:12,15). Tal atitude não comprovava sua fidelidade a César, mas assegurava sua posição confortável diante do império romano.

Entre Jesus e Barrabás, preferiram conceder liberdade ao segundo, e crucificar o primeiro. E isto, porque Barrabás era somente um ladrão, que ameaçava apenas suas propriedades. Já Jesus constituía uma ameaça muito maior, pois colocava em risco a posição deles. Entre um e outro, era preferível ver Barrabás solto, e Jesus crucificado. Além do mais, para aqueles religiosos soberbos, ter um monstro como Barrabás a solta, fazia com que o povo os olhasse como verdadeiros santos. Ter alguém como ele por perto os fazia sentir-se bem consigo mesmos. A monstruosidade de um fazia sobressair a “justiça” dos outros. Enquanto que, ter Jesus por perto os fazia sentir o quão maus eram aos olhos de Deus.

Enquanto Jesus percorria a via crucis, avistou algumas mulheres que choravam, e lhes disse: “Filhas de Jerusalém, não choreis por mim, chorai antes por vós mesmas, e por vossos filhos. Pois virão dias em que dirão: Bem-aventuradas as estéreis, os ventres que não geraram e os peitos que não amamentaram! Então dirão aos montes: Caí sobre nós, e os outeiros: Cobri-nos” (Lc.23:28-30).

Nesta passagem fica comprovado que o que é profetizado em Apocalipse acerca do selos, e aqui em particular do sexto selo, cumpriu-se ainda naquela geração que foi responsável pela crucificação de Cristo.

É bom deixar claro que, embora creiamos que tais profecias cumpriram-se ainda no primeiro século, elas nos servem de alerta, porque Cristo continua reinando e julgando as nações com o mesmo rigor com que julgou Israel.

Enquanto a nossa civilização não der uma guinada de 180o , voltando-se para o seu Criador, as suas estruturas continuarão a ruir debaixo do peso do Cetro de Cristo.

3 comentários:

Carta disse...

A manifestação Incorruptível do Reino Espiritual Celestial do Santo Deus da Israel Eterna.

rebento.com

Marcos Uchoa disse...

Essa interpretação é mais pessoal e não apresenta muitos argumentos convincentes em alguns pontos. Se tudo se cumpriu, onde está o Anticristo? As Testemunhas mártires? A palavra foi pregada a todas as nações? Cristo voltou?

luna disse...

td as vezes q pessoas de DEUS tenta tentaum orientar!!ou ajudar pessoas enteresadas,em aprender coisas da parte do senhor!!o inimigo ussa alguem!!para se levantar!!a igreja sempre e persiguida!!mas vc ta fazendo um otimo!!trabalho!!irmao !!deus e contigo!!